quinta-feira, 8 de maio de 2008

O Despesismo da Nossa Autárquia

Numa Autárquia de Campo Maior detinha uma maioria, contudo, recentemente o Vereador João Muacho demarcou-se dos restantes elementos e apresentopu uma carta solicitando a cessação de funções de Vereador em Regime de Permanência.
Certamente que foi uma decisão tomada conscientemente, no entanto, ao ler-se a sua carta, leva-nos a tirar muitas ilacções e até a formular muitas perguntas. Muito já se falou e escreveu àcerca da sua decisão, ele é que o detentor de toda a verdade e o Povo que o elegeu tem o direito de saber essa verdade. Era bom que se fizessa luz sofre os factos que o levaram a tomar tal decisão.
Ao ler-se a sua carta, tornada publica pela comunicação social, denuncia violentamente a existência de irregularidades na gestão municipal, despesas exageradas e esbanjamento de dinheitos publicos, compadrios e até marginalização de Funcionários em detrimento dos amiguinhos, dos Bufos ou Chibatos.
Recentemente, por imperativo legal, a Assembleia Municipal apreciou e aprovou as Contas de Gerência de 2007, neste documento podem-se analizar as receitas e despesas e tirar algumas comnclusões.
Ao fazer-se uma análise casuística, verifica-se que as Receitas cobradas naquela gerência foram de 7.990.000 € e as Despesas realizadas atingiram 8.367.000 €, destas despesas, salientamos as Despesas Corentes no valor de 5.843.000 € e as Despesas de Investimento no valor de 2.523.000 €. Estes números poder-nos-ão ajudar a perceber as acusações de João Muacho, senão vejamos: As Despesas de Pessoal no valor de 3.553.000 € correspondem a 60,81 % do total das Despesas de 2007, salientando-se os seguintes custos de salários Pessoal do Quadro (1.926.000); Pessoal Contratado (904.710); Pessoal Avençado (115.885);
Horas Extraordinárias (272.194). a diferença entre estes valores e o total das despesas de pessoal são as chamadas despesas de funcionamento.
Importa ainda chamar a atenção para o restante valor das despesas correntes, ou seja a diferença entre o total das despesas correntes (5843.000 e as despesas de pessoal (3.553.000) , no montante de 2.290.000 que se distribuem por todas as estruturas orgânicas da Câmara e destas, nas acusações veladas de João Muacho, sobressai o Serviço de Acção Sócio-Cultural que custa ao Municipio 862.000 assim distribuídos - Vencimentos de Pessoal do Quadro (138.005); Pessoal Contratado (284.125); Pessoal Avençado-Recibo Verde(52.148), pessoal noutra Situação(96.072);Horas Extraordinárias(50.937). Além destas despesas e aqui está o busilis da questão são as despesas Outros Trabalhos Especializados (255.306_Festas,Artistas e Almoços) e outros serviços (102.022-aluguer de carpas e produção de luz e som de espectáculos.
Muito mais haveria para dizer, noutra altura o farei, contudo não quero encerrar este trabalho sem falar no trabalho extraordináio, é uma prática constante desta gestão que lamentamos, pois é normal verem-se os trabalhadores municipais executando trabalhos aos sábados e domingos quando poderiam ser feitos nos horários normais e ainda existem muitos funcionários que recebem o máximo mensal de horas extraordinárias sem as fazerem e até há alguns desses que durante o horário normal executam trabalhos para particulares.
Onde está a gestão e direcção de pessoal que é uma competência do Presidente da Câmara?
Aqui ficam muitas das questões que João Muacho nos quer dizer. Esperamos o seu esclarecimento. Todos nós temos o direito de saber a verdade.
Campo Maior,8 de Maio de 2008
Siripipialentejano

4 comentários:

Abrilongo disse...

Bem vindo ao convivio campomaiorense. Espero visitá-lo mais vezes. Mas, no espirito de critica construtiva que propõe utilizar, permita-me as seguintes sugestões,com vista à melhoria do seu contributo:
1. Evite a letra de tamanho ultrarreduzido que utiliou no seu úlçtimo post: cansa a vista e desmotiva a leitura;
2. Reveja com o cuidado possível os textos para evitar erros que podem dificultar a compreensão das mensagens;
3. Não caia na tentação das "rasquice" que tive o desgosto de encontrar, recentemente, em comentários, num outro blog que trazia notícias sobre Campo Maior.
Como Campomaiorenses, todos temos o dever de evitar dar uma ideia que não envorgonhe a comunidade
a que pertencemos.
4. Se possível, impeça tudo o descer abaixo de um nível acetável de decência, apagando todas as ignóbeis porcarias que só servem para poluir o saudável confronto que deve existir entre gente normal,bem educada e civilizada.

Aceite os meus cumprimentos e vconte com a minha atenção e apreço, enquanto se mantiverem os pressuposto que acabo de referir.

PS: Só espiritos tacanhos estupidos poderão entender as minhas sugestões como um incitamento a uma acção de censura.

Com muito orgulho de o ser: um Campomaiorense

cravo disse...

Também quero dar-lhe as boas-vindas. Numa terra onde poucos ousam falar sobre a situação política, é de louvar a sua decisão. É um acto de cidadania apontar o que não está bem, louvar o que se faz acertadamente e, sobretudo, pedir contas aos que o povo elegeu.
Tal como o Abrilongo, peço-lhe que reveja a opção do tamanho da letra. É muito difícil de ler.
Cumprimentos

Anónimo disse...

Não conhecia este Blog. Acabo de chegar mas pelos vistos nao vem ninguem por aqui há exactamente 1 mês...

carlos disse...

Afinal o que se sabe dos candidatos?
Teremos Burrica outra vez, mas a "jogar" contra quem?