quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Barragem do Caia - Aproveitamento Turístico e sua Limpeza

O verão deste ano não tem sido a estação a que estamos habituados, mas apesar disso alguns fins-de-semana permitiram a muitos cidadãos com uma vida sedentária, ir para o campo e respirar o ar puro, libertando-se do stress duma vida vivida em ambientes muitas vezes carregados e propícios à poluição.
Quando o Sol desperta, somos como os lagartos libertando-se do período de hibernação, voltando de novo à vida, o ser Humano é assim.
No passado domingo, a manhã convidava ao passeio, resolvi ir à Barragem do Caia e no paredão, olhando aquela imensa Albufeira que na sua plenitude pode atingir 203.000.000 m3 e saboreando aquela paisagem maravilhosa, senti-me deprimido e pequeno com o estado lastimoso em que se encontra. Mais sereno pude admirar alguns barcos à vela deslizando suavemente nas suas águas, vi pescadores deliciando-se no seu desporto favorito, enquanto outros em piquenique saboreavam lanches ou banhavam-se, enfim, era um contacto com a natureza assaz salutar.
A Barragem do Caia foi inaugurada em 1967, tem 41 anos de existência, é a maior albufeira do Distrito de Portalegre e foi construída com a finalidade de regar milhares de hectares de terrenos a jusante e também, mais recente, para abastecimento público dos concelhos de Campo Maior, Elvas e Arronches.
De repente e enquanto meditava, ocorreu-me um provérbio popular. O Povo na sua alta sabedoria nunca se engana e os provérbios têm sempre alguma verdade e este não foge à regra: "Deus dá nozes a quem não tem dentes".
É uma verdade que não podemos contestar, como também não é menos verdade que os responsáveis dos três Municípios já tentaram o impossível para contrariarem a verdade deste provérbio. A Barragem continua como dantes, penso que a situação ainda não foi ultrapassada, por falta de vontade política de alguns responsáveis ou por inépcia e interesse de liderança por parte de outros, mas a maior e única verdade é que passados 41 anos, continua-se sem se fazerem as infra-estruturas necessárias para o seu aproveitamento turístico e quiçá contributivas de desenvolvimento. A única infra-estrutura é o Parque de Campismo e esse, segundo o que consta, é mal administrado, com poucas condições e não serve convenientemente os seus utentes.
Mesmo assim a Barragem é procurada pelos nossos vizinhos Espanhóis, que durante a primavera e verão, fazem dela a sua principal estância balnear e de prática desportiva, nós somos os que menos nos servimos dela.
Após estas reflexões resolvi passar pelo Ninho da Cegonha e depois na margem da albufeira que confina com monte do Favas Verdes, fiquei perplexo com a sujidade deixada pelos utilizadores daqueles espaços, são garrafas de plástico, restos de comida, dejectos, enfim, um espaço conspurcado, é notório a falta de civismo de quem ali acampa.
Onde estão as Autoridades? Segundo sei, na Espanha há regras muito rígidas na utilização das albufeiras, não lhes é permitido tal procedimento e são aplicadas coimas elevadíssimas aos prevaricadores.
Hoje, existe na G.N.R. uma brigada especial para a defesa do meio ambiente, é pois para esta situação que chamo a atenção de quem de direito, a Barragem do Caia é um espaço público partilhado por todos, Portugueses e Espanhóis, que merece ser respeitado.
Há necessidade de se regulamentar a sua utilização, as Autoridades devem proceder à instalação de receptores de lixo e ao mesmo tempo criando equipas que procedam periodicamente à sua limpeza.
Os Minicipios abrangidos pela Albufeira, têm uma palavra a dizer, é necessário criar para bem do Turismo zonas de lazer, por exemplo: Construindo um Hangar para barcos; implantando um Parque de Merendas com todas as condições de segurança e de higiene; Construindo uma Zona de Recreio e uma Residencial que poderia ser objecto de uma concessão de exploração.
O Turismo é uma das maiores fontes de receita do nosso País e a nossa Barragem, devidamente aproveitada, poderia servir como uma estância turística de grande valor, como já outras que já existem em Portugal . Haja quem pegue na ideia e a implemente.
Campo Maior, 28 de Agosto de 2008
siripipi-alentejano

6 comentários:

Três horas da manhã disse...

A sujidade, é um problema que afecta hoje a maioria dos locais por onde o ser humano passa, pelo menos no Concelho de Campo Maior tal acontece.
A falta de civismo parece ser cada vez mais um problema que nos afecta.

A GEDA ao que sei, em tempos promovia iniciativas nas quais eram limpas algumas partes da Barragem do Caia.
São necessários meios de limpeza com mais eficácia para uma limpeza da dita, mas também é necessária uma consciência cívica por parte de todos que frequentam aquele local.

O Turismo na minha opinião, é a maior lacuna do executivo camarário, muito pouco ou quase nada têm sido feito. Existem iniciativas tais como o Museu Aberto, porém tal como praticamente todas as iniciativas carece de divulgação e comunicação. Deveria existir um gabinete na Câmara que tratasse deste tema (lia-se comunicação/divulgação).

Amanhã n' " Ó mê belo Campo Maiore..." também vou falar duma situação que têm traços em comum.

Cumprimentos.

cravo disse...

Concordo com as suas posições relativamente ao que se passa na barragem e albufeira do Caia.
Também li o comentário de "três horas da manhã" e só quero perguntar: O GEDA existe? É que não se dá por ele. Devia ser a primeira voz a ouvir-se para apontar os problemas ambientais de Campo Maior. Porém, o que sobressai é o silêncio.

Três horas da manhã disse...

Não faço ideia qual situação actual do GEDA, no site aparece que irão fazer uma caminhada lá para Setembro de resto nada...Irei postar sobre esse assunto.

Anónimo disse...

há alguns anos, por força de uma parceria entre a CM de Elvas, CM Campo Maior, CM Arronches, GEDA, Associação de Regantes e a Direcção Regional do Ambiente, surgiu um parque de merendas, com instalações sanitárias e outras, do outro lado do paredão ja em concelho de Elvas! Claramente a acreditar no ambiente e turismo! resultado: instalações vandalizadas, roubadas e por fim a então infra-estrutura entregue a um clube de vela de Elvas, incendidada! Investimentos na zona têm que ser muito bem poderados!

João disse...

Do conjunto dos anteriores comentários sobressai a falta de civismo, que contudo não pode ser generalizável como "um problema que afecta hoje a maioria dos locais por onde o ser humano passa", pois na Alemanha, Áustria e outros países quase ninguém deita um lenço de papel ou garrafa de plástico para o chão. É este o povo que temos e é nossa a responsabilidade de nos educarmos e quem nos rodeia.
Que tal, ao fim-de-semana ou noutros tempos livres agarrarmos num saco e numas luvas para limpar um pouco as margens da albufeira, sem estarmos à espera que seja a CMCM ou o GEDA a decidirem por nós? Já agora podemos depositar esses sacos à porta da casa do amigo Burrica...

carlos disse...

Amigo Joao,
Conta comigo para uma acçao desse tipo.
Pode ser já na proxima Pascoa e a acção seria na Enxara após a festa.

Só punha uma condição:

que a Coissão se comprometa a fazer uma campanha prévia de sensibilização instalando cartazes a apelar à limpeza.

O que acontece ali todos os anos por essa altura é duma tristeza confrangedora e revela bem o nosso civismo ...