sábado, 30 de janeiro de 2010

Quando haverá Festas do Povo<'

No século passado as Festas do Povo realizaram-se em 1923-1927-1936-1937-1938-1939-1941-1944-1952-1953-1957-1961-1964-1972-1982-1985-1989-1995-1998. Em cada ano que se realizam, o povo de Campo Maior faz questão que sejam cada vez mais brilhantes e mais imaginativas. O seu trabalho não tem preço, é árduo e persistente, realizado com prazer traduz a sua alma e os seus sentimentos generosos. Cada flôr ou qualquer outro enfeite, no seu mais intimo pormenor retrata a sua alma delicada em que o amor e arte são subjacentes.
A última edição das Festas do Povo teve lugar em 2004, já passaram 5 anos, é tempo de voltarmos a dar-lhe vida, o novo Executivo pretende que as Festas voltem a ser uma realidade, há necessidade de se ultrapassarem os entraves criados em redor de um passado recente e criar no nosso Povo uma nova apetência.
O período de tempo mais longo sem Festas foi entre 1964-1972-1982 e 1989-1995. As Festas sempre se realizaram quando o Povo mostrava a sua vontade, impô-las tornar-se-ia um erro enormíssimo e isso já sucedeu com resultados que todos conhecemos.
A riqueza de um Povo assenta em dois factores assaz importantes, o primeiro deriva da congregação existente entre a sua história, cultura, educação, património, tradições, usos e costumes, etc., e o segundo das suas gentes, da sua juventude.
Campo Maior possui os ingredientes atrás referidos, colocando-a a par das de maior riqueza. Temos história e património arquitectónico, sentimos ainda hoje nos seus monumentos, nas suas casas apalaçadas, a herança de grandes e bravos homens.
Igualmente somos possuidores de tradições, de usos e costumes riquíssimos, transmitidos de geração em geração, que preservámos e que devemos igualmente incutir na juventude para que não se diluam no tempo.
Das nossas tradições, além da gastronomia (mal aproveitada) e das saias, emerge como a maior das suas manifestações artísticas as “FESTAS DO POVO”.
É um património cultural fabuloso cuja expressão artística é quiçá única no Mundo, que obrigatoriamente devemos manter. As Festas do Povo são um fenómeno social de cariz popular que só têm lugar se o Povo as desejar, é a sua vontade que determina a realização das mesmas.
Já decorreram 5 anos, é tempo de se tomarem iniciativas no sentido de incentivar o Povo, é tempo de se pensar em nova edição e para isso é necessário que a Câmara Municipal faça sentir essa necessidade. Campo Maior possui uma grande e promissora juventude, eles irão ser os homens de amanhã e serão eles que vão ter a responsabilidade acrescida de transmitir às novas gerações, as nossas tradições, a nossa história, os nossos usos e costumes. As Festas do Povo são o exemplo desta afirmação e a Juventude tornar-se-á irresponsável e sentirá remorsos se não pegar nesta iniciativa como forma de conservação de um legado dos seus progenitores, susceptível de ser transmitido futuramente aos seus descendentes.
Para 2010 será difícil, vamos pugnar para que 2011 seja ano de Festas,
Campo Maior, 30 de Janeiro de 2010
Siripipi-alentejano

19 comentários:

Anónimo disse...

Entao a bandeira do novo presidente era fazer as festas do povo e agora voltou com a palavra atrás.Afinal sao todos iguais prometem prometem mas cumprir nada.Mal por mal tinhamos ficado com o Burrica porque este não é melhor.E mais não digo.

o alcaide do castelo disse...

eu já disse varias vezes, que as festas do povo só são feitas em 2012, por varias razôes. eu penso que em 2005 não houve festas do povo..

Anónimo disse...

Não tenham ilusões as festas do povo só se fazem quando o Tio rui quiser.

o alcaide do castelo disse...

anonimo 22:28 como o sr. quer fazer as festas do povo, com esta situação aqui na parte velha da vila, ruas praticamente desertas casas a cair aos bocados, o Martir Santo está como está, tudo dirivado ao antigo presidente, foi 12 anos de abandono, em primeiro recuperar tudo depois as Festa do Povo está de acordo comigo? um abraço

Undertaker disse...

Amigo Cardeal Siripipi,

Infelizmente o problema das Festas das Flores é pior que a simples vontade política.

A grande ameaça das Festas é o envelhecimento e desaparecimento de quem sabe fazer as Festas das Flores, não herdando os mais novos esse conhecimento e mais difícil ainda, a vontade de "fazer" as Festas.

Anónimo disse...

Estou um pouco de acordo com o Undertaker mas ua coisa é certa no tempo do burrica havia ciganos a situação era a mesma.Se o novo elenco não podiam fazer festas porque eles conheciam a situação não tinha prometido.Mas enfim os politicos são todos iguais Mentirosos o que querem é tacho depois o povo que se lixem.Burrica Ricardo Rui Nabeiro ou outro nome qualquer são todos iguais.

Jack The Ripper disse...

Caro Cardeal Siripipi,

Vejo que depois de uma trégua de 100 dias acaba de desenterrar o machado de guerra e vem falar de Festas das Flores.

Não lamento que o faça pois já sabe que o gosto de ver activo na blogosfera mas lamento a forma como o faz lançando a responsabilidade para o actual executivo autárquico.

Houve já aqui um comentário feito pelo Undertaker que mostra profunda perspicácia e inteligência. As Festas necessitam ser pensadas de alto a baixo participando neste processo toda a sociedade campomaiorense.

Isto faz-me recordar uma frase da Emma Bonino proferida há poucos dias: "Pobre Obama! Chega e toda a gente crê que vai resolver tudo!"

Não é só a câmara que tem esta responsabilidade embora se lhe possa pedir que desencadeie a discussão.

s.joao baptista disse...

É assim que se vê os bons politicos!
Até bateu com a mão no peito a afirmar que com ele havia festas!! Mesmo conhecendo as dificuldades!!
Primeira promessa falhada.
Eles só querem saber dos ciganos!!
Os jovens e os idosos, não interessam.
Onde está o lar e o centro geriático?
A habitação barata para os jovens?Pois os preços em Campo Maior e´só para os ricos!!
Nada!!
Importante é dar aos ciganos!!
Mas digo que Festas do povo há quando o PATRÃO quiser, essa é a unica verdade que sabemos.
Sr. Alcaide só para o informar que em 12 anos de burrica houve 3 vezes FESTAS.
Apesar de eu nuca ter concordado com as politicas burrica.
Sr alcaide, o sr. está bem este presidente governa para os ciganos.
Vejam a estrada nova para ouguela, na curva do aviario e mais à frente até já parece uma estrada velha, onde andam os fiscais da camara? Nos cafes talvez?

Anónimo disse...

As ultimas foram praticamente impostas.
Colocaram-nas num patamar economico muito alto e agora baixar a fasquia anterior é dificil.
Mas o maior problema é a evolução da sociedade.
As pessoas estão mais individualistas, no agregedo familiar trabalham os dois, são um numero de condicionalismos que esfria o interesse em pôr mãos ao trabalho, porque muito trabalho è aquele que as pessoas tem durante o periodo pré e durante as festas.

siripipi alentejano disse...

Amigo Jack the Ripper
No meu post não estou a desenterrar o machado de guerra, limito-me a expressat o que o meu ego me diz. Como Campomaiorense defendo o nosso património cultural, os nossos usos e costumes, as nossas tradições e as Festas do Povo são o exemplo.Eu sei que as Festas só têm lugar quando a vontade do Povo as desejar.
Um dos objectivos do actual Presidente é a realização de Festas, mas para isso é necessário motivar a população, recordo-me que em Agosto de 1994 por iniciativa da Câmara Municipal e de todas as Escolas realizaram-se no Jardim Municipal umas Mini-Festas com trabalhos executados pelos Profesores e Alunos e com muita animação, esse evento foi a mola impulssionadora que motivou o Povo e as Festas em 1995 foram uma realidade, as anteriores tinham sido em 1989.
Quem sabe se uma iniciativa deste género voltasse a motivar, há no entanto uma verdade que não podemos esquecer, as Festas podem trazer a Campo Maior uma mais valia, basta um pequeno exercício mental para concluirmos: Se numa futura edição das Festas nos visitarem 1.500.000 pessoas e se cada uma delas gastarem (durante as Festas) 5,00 €, ficariam em Campo Maior 7.500.000 €. Em termos económicos é uma mais valia que não podemos perder, sob pena de outros Concelhos que nos imitam, encheram os seus bolsos.
Finalmente quero dizer-lhe que no próximo dia 6 de Fevereiro irei escrever sobre os primeiros 100 dias de governação do novo Executivo e nesse trabalho analizarei construtivamente as suas primeiras acções, bem como o seu orçamento pata 2010.
siripipi-alentejano

Jack The Ripper disse...

Amigo Cardeal,

Aguardo ansiosamente pela sua análise dos primeiros 100 dias do executivo camarário.

Quanto ás Festas, penso que divergimos nalguns pontos, mas penso que concordámos no ponto fundamental: é preciso uma estratégia para criar condições para a realização das Festas das Flores

Corto_Maltese disse...

Todo o conceito “Festas do Povo” tem de ser revisto. Creio, na linha que indicou o Undertaker, que as Festas como movimento natural, espontâneo, da população já foi chão que deu uvas. Como tal, aguardar tranquilamente que surja essa vontade remete-nos para Godot.

A franja de população que, naturalmente, desejava e concretizava as Festas está a desaparecer e as novas gerações não se identificam nem se revêem numa manifestação cultural, até aqui, estática, imutável, pouco ou nada sujeita a upgrades.

Ao contrário de alguns comentários que por aqui li, não creio que as últimas Festas tenham sido particularmente infelizes. Foram sim, diferentes. Talvez não tenham tido o espírito e a magia dos sempre “bons velhos tempos” mas foram mais profissionais, mais organizadas, mais modernas. E traçaram de forma bem evidente o único caminho disponível para as Festas: uma espécie de actividade comercial.

É pegar ou largar. Mas se largar, é de vez.

Kustanilha disse...

Talvez o terem-nas tornado tão profissionais, tenham originado o desencanto pelas pessoas em quererem fazer as Festas do Povo.
Creio que a grandiosidade das ultimas não foi muito positiva digo isto a todos os niveis!
Apesar de eu ter adorado as ultimas, como as outras todas!!
Não acha Corto Maltês?

Carlos Manuel disse...

Concordo com o Corto Maltese: querem Festas? Então profissionalizem-nas e comercializem-nas.
Assim, algum desses 7.500.000€ iria para os bolsos de quem transforma papel em arte.

o alcaide do castelo disse...

anónimo das 13:54 eu não disse que o presidente derrotado não fêz 3 festas do povo, agora o sr. tambem vê com os seus proprios olhos como aquele senhor deixou Campo Maior principalmente a parte historica estamos de acordo? o povo tem que se sentir bem para fazer a festa dos artistas, não é o caso presente, nestas condiçôes não pode haver festas sejamos honestos, Ao sr Siripipi eu tenho notado que o sr. tem feito muito pela cultura e pelo patrimonio em Campo Maior tudo ao abandono

Anónimo disse...

Que confusão com o texto do Sr. Siripipi ele apenas sugere para a necessidade de começar a preparar as festas do povo para que não caiam no esquecimento. Não propõe que elas se faço já ou amanhã.
Estou de acordo consigo, a vareadora da cultura deverá começar a pensar numas futuras festas, a não ser que nos damos por vencidos com as dificuldades que as festas nos trazem na sua realização.
Lembro-me bem da bandeira do PS nas eleições autàrquicas daí que estou de acordo consigo que mostra coerência com o que diz e pratica.
Aos senhores que passam o tempo a falar dos 12 anos de governação do Burrica, ainda não se aperceberam que esse tempo pertence ao passado e que já estamos em 2010 e não podemos continuar a lamentar constantemente o que foi feito.
Vamos encarar o futuro com esperança e com dinamismo.

Anónimo disse...

Acho que devemos falar do presente, o passado já lá vai, e temos que exigir ao actual elenco trabalho feito, sério e honesto, e o mais importante que sirvam os campomaiorenses o melhor possivel, não entrando por caminhos sem saída!
Defendo festas em 2012

Anónimo disse...

Boas,
Então é assim, e é só matemática:
12 anos= 2Milhões de euros de Dividas.....Empresas Fraudulentas e concursos curruptos para ir ganhando eleições!!
100 dias para fazer projectos dinâmicos, como o Novo Centro Escolar..e mais não digo!!!
Aos cepticos aconselho alguma calma!!...os problemas do martir santo são inequivocamente de toda a população, e de Campo Maior, e não deverão ser vistos como alguns dizem...Enfim ninguem fala da limpeza da zona das oficinas da câmara, da interactividade entre os empregados da câmara e os municipes. Olhem tenham juizo e pensem bem, afinal eu digo"mais vale 20 dias de Ricardo que 12 anos de Burradas!!! Espero que os proximos 100 dias sejam bem ao nivél dos que já passaram!!!E espero que se publiquem em breve as asneiras que foram denunciadas por si e com mais provas durante 12anos de endividamento que iremos tds pagar!!!
Falamos dentro de mais 100 dias!!

Bem hajam todos

carlos disse...

fazer as Festas outra vez?
vão ao Redondo, vejam e aprendam...